A Joalharia Portuguesa, uma preciosidade em pormenores e nos temas tratados, é uma jóia dos Produtos Tradicionais Portugueses e particularmente do Artesanato Tradicional Português.

O termo joalharia deriva do idioma francês jouel, que igualmente sofreu a anglicanização em meados do século XIII. Pesquisando em tempos mais remotos é possível encontrar também o termo jocale, que designa um objecto de brincar.

Joalharia Portuguesa – Uma jóia preciosa

Joalharia Portuguesa - Arrecadas de Viana

A joalharia é também, uma antiquíssima Tradição Portuguesa, uma arte que se propagou de braço dado com a história de Portugal.

Desde o século XV, no decorrer das magníficas epopeias marítimas, as pedras e metais preciosos, como os diamantes de Angola, ouro do Brasil e outros materiais valiosos, faziam parte das rotas das matérias primas e produtos que eram trazidos dos territórios a Oriente para Portugal.

Estes materiais eram utilizados pelos ourives em jóias e em peças de arte sacra, como as magníficas custódias tradicionais.

O Brasil teve no século XVIII a época do ouro mais importante, o qual tornou ainda mais rica a joalharia portuguesa, a qual passou a  produzir peças de arte de luxo, como ostentação de riqueza nacional.

Nesta conjuntura de riqueza, a joalharia portuguesa conheceu um estímulo extraordinário, o que originou que a arte dos mestres ourives fosse muito valorizada, os quais passaram a usufruir de uma condição social elevada e de grande reputação e influência junto dos pólos da aristocracia europeia.

A arte maravilhosa dos ourives portugueses pode ser contemplada em diversas igrejas e  museus, onde magníficas custódias competem em riqueza ornamental com jóias e peças de decoração executadas em metais nobres e pedrarias.

O percurso notável da joalharia portuguesa pode ser seguido em colecções expostas no Museu Nacional de Arte Antiga e museus de Évora, Coimbra e Guimarães.

Texto adaptado do original da Cultura e História de Portugal – Porto Editora.

por Tradição Portuguesa

Joalharia Portuguesa Tradicional
Classificado como:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *